A vida inteira tinha uma casca te protegendo.

No início, era a placenta, e você todo confortável boiando no líquido amniótico. Depois, a escola e o roteiro pré-traçado – infantil, pré-escola, fundamental, médio, e por aí vai.

Deu uma balançada no vestibular … nada parecia tão certo. Que caminho escolher? Exatas, Humanas, Biológicas? Mas logo se decidiu, entrou na Faculdade e a casca invisível das disciplinas, notas, iniciação científica e estágios já te acolheu de novo.

Muitos nem quiseram sair do quentinho ambiente acadêmico. Foram ficando em mestrados e doutorados, a despeito de bolsas miseráveis e muitas vezes sem qualquer real vocação para ensino e pesquisa.

Outros abraçaram o caminho do mercado de trabalho. Um emprego, salário, benefícios, plano de saúde!, 13o, vale transporte e alimentação, FGTS!, férias (e mais ⅓!), subir de cargo passo a passo na escada corporativa.

Notou a “casca” onipresente ? Em cada momento ela te envolvia, pra te dar segurança, um roteiro certo, um lugar quentinho. Uma zona de conforto.

De repente, tudo que parecia tão seguro e certo desmonta como um castelo de cartas. A bolsa se rompe, sua mãe te dá a luz numa cesariana ou te “expulsa” em ritmadas contrações de parto normal.

O primeiro ar a entrar pelos pulmões corta como uma faca. O fim da faculdade impõe decisões importantes. Mestrado ?, arrumar um emprego?, ser funcionário público?. O que quero da vida ? Uma decisão errada e seu futuro pode estar em jogo.

A segurança do emprego é só aparente. As dificuldades da economia, o cenário competitivo e … apesar de toda sua competência e dedicação … o facão come solto, custos são cortados, você é mandado embora, a empresa quebra. O que parecia tão seguro nunca foi tão incerto, que apesar de todo o discurso moderninho de “Gente & Gestão” na maioria das empresas você ainda é mesmo apenas um “recurso” humano. Um ativo, que num piscar de olhos pode se transformar num passivo, para ficar no jargão contábil.

Daí vem o estalo. Você se dá conta que seu potencial pode ir além de velhas fronteiras e hierarquias corporativas. Que você precisa ser protagonista do seu destino. Ator principal, roteirista, diretor, figurino e galã da sua própria novela.

Que a maior segurança é aquela em que você mapeia, entende, empatiza, resolve, entrega e fideliza seu próprio cliente. Você S/A.

E nesta hora morre o funcionário, e nasce o empreendedor. Tudo na mesma pessoa, nenhum corpo é perdido no processo, mas a alma não é mais a mesma. Não sozinho, ao contrário cercado de parceiros no crime, fazendo crescer também uma empresa, mas em tudo diferente da sua vida pregressa corporativa, por ser agora à sua imagem e semelhança. E você já não é mais o mesmo.

Aquele ovo, aquela casca, se rompeu e agora é hora de você caminhar com as próprias pernas rumo a uma jornada traçada pelos anseios, riscos, desejos recompensas genuinamente suas.

E você agora se joga, sai andando de cabeça aberta, ávido por traçar seus roteiros, cometer seus erros, tirar sua idéia do papel, ter seu próprio negócio, lançar seu produto e serviço, gerar impacto e fazer um dente no universo. (E, com sorte, tenacidade e muito esforço, levantar nitroglicapital para multiturbinar ainda mais este processo inevitável de crescimento).

Bora empreender ?

avatar-testimonial-courses

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Aliquam accumsan est at tincidunt luctus. Duis nisl dui, accumsan eu hendrerit sit amet, rutrum efficitur lacus.

Amy Adams
Creative Student

Over 12,000
5 Star Ratings

5-stars-white

Rated 5/5 by 12,000 Students

Leave A Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Related Posts